O Bacalhau

Loja Online

O Bacalhau em Portugal

A Salga portuguesa

Inglaterra e Portugal, no século XIV, possuíam tratados de comércio para a troca de sal por bacalhau.

O povos do norte da Europa tinham comércio de bacalhau seco e salgado seco, mas eram fluxos pouco relevantes e menos sistemáticos do que a rede de negócios estabelecida em campanhas de pesca de bacalhau por armadores portugueses, bascos e da Grã-Bretanha, nomeadamente no séc. XVI.

As grandes navegações

A par dos indícios, em pleno século XIV, dos primeiros barcos portugueses a pescar nos mares da Inglaterra, surgem também as grandes navegações.

Na tentativa de encontrar o caminho marítimo para a Índia, pelo oeste, os portugueses acabaram por se deparar com a Terra Nova, que hoje pertence à província da Terra Nova e Labrador, no Canadá, navegando em águas ricas de bacalhau.

Paralelamente, no século XV e XVI, com as grandes descobertas, o Bacalhau é um importante alimento para as tripulações portugueses. Salgado e seco, e de fácil transporte, o “fiel amigo” conserva-se durante as grandes viagens e é uma importante fonte de subsistência.

O Bacalhau nos séculos XV e XVI

Quem consumia o Bacalhau nos séculos XV e XVI?

O bacalhau era objeto de um consumo relativamente transversal, embora mais da fidalguia e dos clérigos. Há também referência ao bacalhau seco nas listas de compras dos hospitais e das misericórdias portuguesas.

A mítica frota Bacalhoeira

Há registos de navios portugueses e campanhas de pesca ao bacalhau, de 1930 a 1976, devidamente documentados no diretório do Museu Marítimo de Ílhavo.

Durante o período de maio a setembro, encontravam-se grandes frotas de barcos bacalhoeiros nos mares da Terra nova e da Gronelândia. Estes são os tempos míticos da pesca portuguesa do bacalhau

Navio Bacalhoeiro Creoula 

O Creoula é ainda hoje um nome lendário na pesca do bacalhau. Este lugre-bacalhoeiro português foi lançado à água a 10 de maio de 1937 e, até 1973, efetuou 37 campanhas no Atlântico Norte. Verdadeiro símbolo de história e cultura nacional, continua no ativo como Navio de Treino de Mar (NTM) da Marinha portuguesa. 

Dimensões   

  • COMPRIMENTO FORA-A-FORA: 67.40m; 
  • COMPRIMENTO DO CASCO: 62.64m;   
  • BOCA MÁXIMA: – 9.90m;   
  • PONTAL: 5.90m; 
  • CALADO: 4.70m;   
  • ALTURA DOS MASTROS: 36.00m;   
  • SUPERFÍCIE VÉLICA: 1244m2. 

A pesca do bacalhau, também conhecida como Faina Maior, de forma continuada, reiniciou-se em Portugal em 1872 pela Bensaúde & Cia., e em 1885 pela Mariano & Irmão, que, contestando o monopólio dos importadores, começaram a enviar veleiros todos os anos à Terra Nova.

Curiosamente, mais tarde a Riberalves viria a comprar todo o carregamento do Navio Neptuno, pertencente à Parceria Geral de Pescarias do atual grupo Bensaúde. O “Cash&Carry” que esteve na origem Riberalves também viria a fornecer mantimentos para as frotas armadoras.

A Pesca num Dóri

Os primeiros registos de pesca num Dóri são de 1870.

O dóri era uma embarcação tripulada por apenas um homem, a bordo da qual os portugueses desenvolviam a épica pesca do bacalhau. Estes pequenos barcos, de fácil fabrico e relativamente frágeis, eram transportados para os grandes bancos de pesca pelos bacalhoeiros, “barcos-mãe” no qual chegavam a ser empilhados entre 50 e 60 dóris. Aí, diariamente, cada dóri era lançado à água com o seu tripulante, para uma pesca à linha onde se enfrentavam grandes desafios, como as tempestades e o frio, o nevoeiro, os icebergues ou até as baleias – daí que muitos pescadores nunca tenham regressado. No final de cada dia, o bacalhau pescado nos dóris era escalado e colocado no sal, no porão dos bacalhoeiros. 

O Estado Novo e a volta ao Mar

A campanha do bacalhau foi fortemente dinamizada pelo Estado Novo, acompanhando os principais ciclos económicos do regime. As políticas de abastecimento foram concebidas como um instrumento decisivo para o fortalecimento do Estado.

Toda a operação era controlada pelo Estado, que fixava os preços, garantia a mão de obra barata e disciplinada (através de recrutamentos coercivos junto das chamadas Casas de Pescadores), providenciava financiamento aos navios e armadores e condicionava as importações.

“O objetivo do Estado era tornar barata a subsistência através de uma proteína de largo consumo que fosse um fator de bloqueio dos salários e de financiamento da paz social”.

(Álvaro Garrido, historiador)

Em 1942, implementou-se um programa de renovação da frota bacalhoeira, que passou de 34 navios (1934) para 77 (1958). Assim, em apenas algumas décadas, mais de 80% do consumo de bacalhau em Portugal era assegurado pela produção interna.

De tal forma era vital a frota bacalhoeira portuguesa que os homens que se voluntariassem para nela trabalhar, ficavam isentos do serviço militar obrigatório. O pescador de bacalhau foi elevado à categoria de herói da pátria, justo herdeiro dos navegadores que haviam levado o nome Portugal além mar.